2 semanas atrás - por Yasmin Vitoria

Suzane von Richthofen manipuladora: a menina que matou os pais.

Uma jovem de 18 anos, branca, rica, falando em três idiomas e com uma família influente no estado de São Paulo, em 2002 ficou conhecida por mandar matar seus pais, o crime foi considerado como histórico.

Em 31 de outubro de 2002, a polícia de São Paulo foi acionada, se direcionando para o local do crime no bairro Campo Belo, para investigar o caso como sendo de latrocínio.

Ao chegar ao local, foi encontrado Manfred e Marísia von Richthofen na cama, ambos com severas lesões na cabeça.

Houve uma preparação ela chegou a separar sacos e luvas cirúrgicas para tentar esconder as provas do crime

A cena era deplorável, havia respingos de sangue pela parede, na cama e no chão do quarto onde o casal foi encontrado. Na residência, dois cômodos foram revirados, e a única arma encontrada tinha apenas um cartucho a menos, deixada por Daniel. Em seguida, para simular um assalto, revirou a biblioteca da mansão.

Mas quem matou Manfred e Marísia von Richthofen?

O assassinato é apresentado com duas versões a dela (Suzane von Richthofen) que diz ter sido manipulado pelo namorado e seu irmão Daniel e Cristian Cravinhos, que ganharam o apelido “Irmãos Cravinhos”

E a outra versão dos irmãos que afirmam ter assassinaram a pauladas o casal Manfred e Marísia von Richthofen por eles não aceitarem o relacionamento de Suzane e Daniel, então o jovem casal decidiu que para continuar junto deveria assassinar os pais da garota e simular um latrocínio para manter os direitos sobre a herança valiosa que seria deixada.

Mas a polícia já tinha todas as suspeitas envolvendo a filha, pela forma fria, ao qual ela se comportava e por limpado toda a cena do crime, e após isso dar uma festa na piscina como se nada tivesse acontecido dias após o suposto assassinato.

Investigações e julgamento do caso Richthofen

A confissão foi feita dia 8 de novembro do mesmo ano, após a investigações apontar para os três.

Tudo parecido muito bem montado, para parecer ser latrocínio, os relatos foram combinados, Cristian, Daniel, e Suzane deram versões bem parecidas em seus testemunhos e quase passaram despercebidos. Mas, o que despertou e fez com confirmasse as suspeitas da polícia foi a compra de uma moto por Cristian logo após o dinheiro ter sido roubado passou a levantar suspeitas

O julgamento do caso aconteceu em 2006, a sentença condenou Suzane e Daniel Cravinhos a 39 anos e 6 meses de prisão. Já Cristian, recebeu uma pena de 38 anos e 6 meses. Após quase 20 anos terem se passado, o delito e os bastidores instigam reportagens, livros e o cinema até hoje.

Protagonista de um mundo literário

Atualmente, Suzane é protagonista do livro Suzane: Assassina e Manipuladora (2020), de Ulisses Campbell. Nos cinemas, o enredo foi roteiro para dois filmes — exclusivos para a plataforma Amazon Prime Video — do diretor Maurício Eça, com duas versões, A Menina que Matou os Pais (2020) e O Menino que Matou meus Pais (2020), com a atriz Carla Diaz no papel principal.