2 meses atrás - por Yasmin Vitoria
Por que cachorros são os melhores amigos das pessoas


Por que cachorros são os melhores amigos das pessoas? Com constância lemos em algum local ou ouvimos uma pessoa falar que “o cão é o preferível colega do ser ser humano “. Entretanto como eles se tornaram companheiros tão leais ? Quando essa convivência de companheirismo e segurança iniciou? A ciência concorda que os cachorros são filiação dos lobos, evoluindo para os incipientes bichos domesticados pelagens humanos . Porém é aí que culmina o conformidade.

Ainda há um enorme incógnita integrando o começo de tudo e cientistas procuram saber como esses bichos foram mudados por conta à reação humana, seja por meio da genética ou da arqueologia.

Confira Por que cachorros são os melhores amigos das pessoas?

O princípio de uma cooperação milenar

No meio científico , a relato sobre como os cachorros foram domesticados a dividir dos lobos é um tópico intricado que costuma produzir diversas discussões. Os cientistas confiam que esses bichos iniciaram a se mover pelo planeta há quase de 20 mil aninhos, certamente, já com seus companheiros humanos.

Nos Derradeiros aninhos, cientistas têm se embasado em aprendizagens genéticos e achados arqueológicos para identificarem sinais sobre como os cachorros e os seres humanos deram-se a viver unidos. Umas estudos modernos indicam que isso deve possuir incidente entre 14 mil e 29 mil anos anteriormente.

Os caras que viveram nas cavernas na Derradeira era do gelo foram os encarregados por iniciar a relação entre as linhagens. Com a caída significativa na temperatura, os humanos desse época principiaram a alimentar lobos que se aproximavam dos assentamentos com sobras de carne.

Porém, é intrigante analisar que os lobos eram uma tipo competitiva para os humanos da Eurásia, assistido que os dois procuravam por garras parecidas, a modelo dos veados , para sua sobrevivência.

Carência vs promessa

Como lobos e caras tinham alvos parecidos e competiam por eles , uns cientistas principiaram a se indagar por qual causa os humanos antiquados simplesmente não acabaram com os concorrência , pois já possuíam as ferramentas e aptidões essenciais para isso .

De coforme com cientistas finlandeses , a explicação para essa problema e diversas mais complexas está referente ao agente premência vs . proposta . Levando em conta as desprovimentos calóricas , os humanos que já viviam como coletores e indivíduos que praticam caça , diversas vezes tinham excesso de carne . E , ao oposto dos lobos , não precisavam devorar um cervo todo . Ao alimentar os lobos selvagens com a carne que sobrava , o indivíduo iniciou a modificar esses bichos oferecendo começo à progresso dos cachorros .

É isso que reflete Marina Lahtinen, arqueóloga, química e cientista sênior da Finnish Food Authority (Autoridade Alimentar Finlandesa). A pesquisadora recolheu exemplos de bichos que muito os seres humanos quantos os lobos teriam atacado, como veados, cavalos e alces. Logo depois , ela e sua grupo analisaram o teor energético da traçada e compararam com a ingestão intermediária que um ser humano da Derradeira faixa etária do gelo necessitaria.

O consequência dos análises da perito finlandesa expôs que o teor de intensidade ultrapassava a quantia fundamental para ingestão do sujeito. Sendo assim, o exagero de traçada deve dispor sido compartilhado com os lobos.

Nesse processo de milhares de aninhos, o ponto aonde os seres humanos perceberam que esses lobos que se aproximavam mais deles conseguiriam ser utilizados como excelentes companheiros nas viagens de caça , é tido como o pioneiro passo na domesticação.

A genética das modificações

Os pesquisas genéticos têm um folha necessário nas estudos que procuram compreender como os seres humanos mudaram e promoveram alterações evolutivas nos lobos. Uma estudo divulgada na publicação BMC Biology, indica que os traços comportamentais desses bichos foram a pioneira coisa a ser modificada.

Por modelo , comportamentos com menos agressividade e encolhimento do pavor dos seres humanos estavam entre as primeiras alterações . As alterações nas traços físicas, como as orelhas caídas e mandíbulas pequenos, vierem bastante tempo após.

Já o pesquisador Jeffrey Kidd e sua time da Faculdade de Michigan conseguiram revelar 178 genes que conseguem achar-se relativos à domesticação dos cachorros. O cientista conduziu um análise de genoma inteiro integrando 43 cachorros de aldeia e 10 lobos.

Para isso, os cientistas compararam o DNA de lobos com sobras mortais de cachorros enterrados há 5 mil aninhos e cachorros de aldeia , esses Derradeiros são bichos que vagam buscando fodida seguinte dos humanos e se acasalam livremente. Conforme Kidd, os cachorros de aldeia foram utilizados na análise porque seus genes não foram alterados pelagens seres humanos nos Derradeiros 300 aninhos , ao oposto dos chamados cachorros de raça.

O realidade é que não interessa bastante quais explicações a ciência já achou e, certamente, ainda encontrará para a relação fiel entre o cachorro e o sujeito. Esse bicho de quatro patas sempre teve um folha indispensável na relato humana, seja na antiguidade ou na relato mais contemporâneo com presença em guerras, resgates e preservação de seus companheiros de duas pernas.