1 mês atrás - por Yasmin Vitoria
Jogos paralímpicos

Jogos paralímpicos você deseja passar a noite depois de todos os tipos de esportes nas Olimpíadas de Tóquio, é provável que fique animado para ver as competições acontecendo novamente na Terra do Sol Nascente. Começam nesta terça-feira, dia 24 de agosto, os Jogos Paraolímpicos de 2020, que possuem esportes customizados e modalidades exclusivas para atletas com deficiência.

Há alguns anos, os Jogos Paralímpicos vêm conquistando o prestígio que merecem na mesma cidade e nas mesmas instalações dos Jogos Olímpicos. Isso faz todo o sentido, já que as Paraolimpíadas também são disputadas por atletas de ponta que dedicam suas vidas ao esporte – com a diferença de que algumas regras precisam ser ajustadas devido às deficiências de cada indivíduo.

A questão é que as pessoas com deficiência nem sempre têm este quarto. Tudo tem a ver com a criação dos Jogos Paraolímpicos de 1948.

Jogos paralímpicos

Jogos paralímpicos

Dos Jogos Stoke Mandeville aos Jogos Paralímpicos
A ideia de uma competição esportiva para pessoas com deficiência veio do neurologista Ludwig Guttmann. Ele era alemão e trabalhava em um hospital judeu, mas teve que fugir para a Inglaterra quando estourou a Segunda Guerra Mundial. No país, começou a trabalhar no Hospital Stoke Mandeville, cuidando de veteranos de guerra paraplégicos.

O esporte surgiu como uma ferramenta de reabilitação física para veteranos, bem como uma forma de aumentar a autoestima. Quando as Olimpíadas de Londres começaram em 1948, Guttmann criou um evento semelhante em Stoke Mandeville. Havia poucos atletas e apenas um esporte – o arco e flecha – mas foi o embrião do movimento paralímpico.

Depois de 1948, os Jogos Stoke Mandeville continuaram todos os anos e se internacionalizaram, com atletas da Holanda participando em 1952. Guttmann continuou seus esforços para expandir o evento e queria uni-lo ao movimento olímpico – até que conseguiu traga os Jogos de Stoke Mandeville para Roma, a mesma cidade que sediou os Jogos Olímpicos de 1960. Este é considerado o primeiro oficial das Paraolimpíadas.

A partir daí surgiram alguns desafios: locais como a Cidade do México (1968) ou Munique (1972) alegaram que não poderiam sediar as Paraolimpíadas por questões de acessibilidade – outras cidades, porém, se ofereceram para sediar os jogos. Então, em 1988, veio uma grande vitória do Movimento Paralímpico: a partir dos Jogos de Seul, logo após aquele evento, todas as Paraolimpíadas passaram a ser realizadas na mesma sede e instalações dos Jogos Olímpicos.

Outro desafio foi a cobertura da mídia dos Jogos Paraolímpicos, que é bem menor do que a dos Jogos Olímpicos. Houve uma melhora significativa a este respeito desde Sydney 2000, à medida que mais pessoas perceberam que eles são tão interessantes quanto outros eventos esportivos.