1 mês atrás - por Yasmin Vitoria

Jesuíno Brilhante saiba a historia desse homem suas curiosidades. Em uma época indeterminada , do ano de 1844, no interior do situação do Rio Grande do Norte, na Parte que atualidade corresponde à município de Patu, no sítio Tuiuiú, nascia Jesuíno Alves de Melo Quieto, vulgo Jesuíno Brilhante, aquele que viria ser afamado como o cangaceiro romântico, o “ Robinwood” do sertão ou o pioneiro cangaceiro do sertão brasiliano. Adveio de uma parentada aristocrata rural sertaneja, tornando bandoleiro no ano de 1871 em mérito de um caso incidente com seu mano – carregou uma surra no meio da via, da município de Patu/RN, e culpado, inocentemente, conforme uns, de furto de uma cabra – o motivando a pegar juridicidade em título da parentada.

Bastante divergente daquela filosofia do cangaço do século pretérito em que os cangaceiros roubavam e matavam para demonstrarem o força e o terror, Jesuíno era retratado pelagens seus chegados como um sujeito afável , que era estimado e respeitado pela multidão patuense.

Em suas atuações, buscava saquear combios e produtos enviadas do sistema político aos coronéis que comandavam o sertão ( produtos essas que eram desviadas quando a multidão morria de fome em inteira estiagem) e oprimiam as níveis mais desfavorecidos do sertão. Jesuíno empenhava a sua briga em mérito de um bem comunitário e regular, sem um retorno propriamente contado para o cangaceiro.

A história do cangaço , que surgira como um ação comunitário de luta à indigência e à fome, tornara-se assistido como uma ideologia bandida na vista dos coronéis, e também bastante em atributo das atuações posteriores de Lampião.

Jesuíno foi encarregado pela geração de alguma coisa que viria a ser um Situação semelhante caipira entre os aninhos de 1871 e 1879, quando os governantes temiam-no, simultaneamente com o seu bando.

O patuense, por dispor nascido em uma familiares aristocrata, tivera uma tesuda instrução em cotejo as bastante indivíduos, entretanto sempre buscou assimilar coisas do seu dia a dia com os pessoas do campo e sertanejos. Em suas atitudes, buscava sempre paracer um macho regular, não propagando uma figura de autoridade honra, contudo de um entre tantos oprimidos no nordeste nacional.

A óbito de Jesuíno foi alguma coisa heroico , merecedor de cadastros de cinema . O conclusão sucedeu em dezembro de 1879, em uma emboscada, na município de Belém do Brejo do Cruz , Paraíba, quando aparecia sendo perseguido pela autoridade e fora alvejado , de repentino , por dois disparos na local do abdômen, disparados pelo seu algoz, Preto Limão.

Seus restos mortais foram enviados para a localidade de Mossoró/RN para análises feitos pelo clínico Francisco Pinheiro de Almeida, com o intenção de fazer uma exposição no Escola Diocesano de Mossoró. Seguidamente, seus sobras mortais foram levados para o Rio de Janeiro, e por aninhos permaneceu no museu do alienista Juliano Moreira. Mais entardecer, os sobras mortais seriam removidos para um regional anônimo, permanecendo sem paradeiro até os dias de atualidade.

Hoje, a lembrança de Jesuíno continua viva na literatura local, nas artes, cinemas e novelas. Trata-se de uma estampa que é descrita como um bandido por uns, e por outros como um ídolo justiceiro do/no sertão. A relato o marcará para sempre.