3 dias atrás - por Yasmin Vitoria

IRMÃ DULCE: A SANTA BRASILEIRA QUE PODE GANHAR A CELEBRAÇÃO NACIONAL

Curiosidades sobre Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Talvez esse nome não desperte a memória de muitos, mas assim foi registrada aquela que foi conhecida como Irmã Dulce, a primeira verdadeira santa brasileira (é preciso lembrar que somos Santo Antônio de Sant’ana Galvão como Santos Países Tupiniquins).

Irmã Dulce nasceu em 26 de maio de 1914 em Salvador (BA) e, ainda pequena, dava sinais de que seguiria uma vida religiosa e ajudaria os pobres. Em 1933 ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de Nossa Senhora em São Cristóvão, Sergipe, como noviça, e fez a profissão de fé no dia 13 de agosto do mesmo ano.

O nome Irmã Dulce foi escolhido em homenagem a sua mãe Dulce Maria de Souza Brito, falecida quando Maria Rita tinha apenas 7 anos. Seu legado de ajudar os mais necessitados se tornou conhecido em 1949, quando ela converteu o galinheiro do mosteiro em que morava em um abrigo para animais, pois não tinha onde acomodar cerca de 70 pessoas, que coletou na rua. Onze anos depois, o local passou a ser o Hospital Santo Antônio, considerado um dos maiores do Nordeste.

Depois de uma vida dedicada a ajudar os mais necessitados, a Irmã Dulce, também conhecida como O Anjo Bom da, faleceu Bahia aos 77 anos no dia 13 de março de 1992 em Salvador. Sua canonização ocorreu em outubro de 2019, 27 anos após sua morte, quando passou a ser conhecida popularmente como a Santa Dulce dos Pobres.

Feriado em sua memória

O Comitê de Educação do Senado aprovou um projeto de lei que adota a Data de sua morte como feriado nacional. A proposta, elaborada pelo senador Ângelo Coronel (PSD-BA), necessita de análise na Câmara dos Deputados e sanção do presidente para ser efetivamente aplicada em todo o território brasileiro.

 

<